A palavra ociosidade é definida no dicionário como estado ou condição de ocioso, falta de disposição, de pressa ou empenho. Se no papel essa palavra representa inatividade, na indústria ela pode resultar em prejuízos significativos para o setor financeiro. Períodos de ócio provocam muito mais que atrasos e perdas pontuais. Prejudicam também a produtividade e interferem no relacionamento com o mercado e na postura que a empresa mantém frente à concorrência. Pensando nisso, elaboramos o Guia para entender o custo da ociosidade na indústria, um material para ajudar você a refletir sobre esse tema a partir da realidade do seu negócio.

Por meio de uma linguagem objetiva e de fácil compreensão, o guia é dividido em três capítulos que permitem entender melhor o conceito de custo de ociosidade, de que forma ele pode ser calculado e a importância de mantê-lo sob controle.

 

Ociosidade na indústria: entendendo conceitos

No capítulo de abertura, intitulado Entenda o que é o custo da ociosidade, são abordados dois conceitos fundamentais para entender no que consiste e como esse valor é calculado: a capacidade produtiva e a capacidade ociosa.

O primeiro deles refere-se ao volume máximo de produtos que uma empresa consegue fabricar, o chamado teto produtivo. Essa capacidade, no entanto, deve ser considerada de maneira teórica e efetiva.

Já capacidade ociosa diz respeito à quantidade de produtos que a empresa deixou de produzir em relação à estimativa identificada na capacidade produtiva.

Para esclarecer tudo, o e-book apresenta um exemplo bem elucidativo, que ajuda a entender melhor como isso pode ser calculado na prática: se uma fábrica tem a capacidade de produzir 10 mil peças, segundo sua capacidade produtiva, mas no fim do mês consegue apresentar apenas 8 mil unidades concluídas, significa que 2 mil deixaram de ser fabricadas por alguma razão. Essa quantidade que não foi produzida representa a capacidade ociosa da empresa.

É possível fazer esse cálculo utilizando os dados da sua indústria para descobrir quanto ela está deixando de ganhar em função da ociosidade, pois, além de interferir na perspectiva gerencial, o custo também afeta diretamente a área contábil da organização. Então, reunir esses dados ajuda a compreender se o seu negócio tem atendido às demandas do mercado e se houve interferência na competitividade.

 

Como calcular

Mais adiante, no segundo capítulo, denominado Como calcular o custo da ociosidade na indústria, você vai aprender a identificar, por meio de uma equação, o peso que a ociosidade está tendo para o seu negócio. A fórmula exata pode ser conferida acessando o e-book.

Mas há outros dados que podem fortalecer esse cálculo. O uso de um bom software de gestão integrada é um modo de coletar e armazenar as informações necessárias complementares, pois ele ajuda a ter uma visão mais ampla a respeito de todos os custos da empresa, dos diretos aos variáveis. Além disso, também facilita consideravelmente o gerenciamento das demandas e dos processos produtivos.

 

Identificar e reparar

O terceiro e último capítulo, A importância de manter o custo da ociosidade sob controle, como o próprio nome sugere, demonstra como sua indústria pode estar tendo prejuízos desnecessários em razão deste potencial ocioso, tornando o produto fabricado mais caro que o necessário, e o porquê de trabalhar isso dentro da organização.

Esta parte do guia ressalta, ainda, que a primeira atitude a ser tomada para corrigir essas perdas é identificar os custos de ociosidade, tornando mais fundamentadas as ações que poderão ser tomadas pelos gestores para reparar o problema.

Reduzir os custos de ociosidade também está diretamente ligado à competitividade no mercado, pois torna a indústria mais eficiente e preparada para lidar com a concorrência. Por isso, o capítulo também traz sugestões de atitudes que podem ser adotadas pela indústria a fim de aumentar a produtividade.

 

Gestão inteligente de custos

A tecnologia é uma ótima aliada nessa empreitada de combate às perdas geradas pela ociosidade. A Pró-Data System’s, por exemplo, oferece soluções específicas para as indústrias otimizarem a gestão de custos.

Esses sistemas podem ser implementados em organizações de diferentes portes e segmentos e abrangem rotinas e ferramentas para custeio industrial e comercial para formação de preço de venda, análise de preço de venda, análise de rentabilidade, margem de contribuição, ponto de equilíbrio, custos diretos e indiretos, custo comercial, custo de fabricação, custos de produtos em elaboração, gastos gerais de fabricação e custo padrão versus custo real.

Bem, deu para ter uma boa ideia do que reunimos neste guia, certo? Então baixe-o agora mesmo e tenha acesso ao conteúdo completo:

 

E caso tenha alguma dúvida, deixe um comentário no espaço abaixo ou entre em contato com a nossa equipe. Estamos sempre à disposição.

FALE COM NOSSOS CONSULTORES